Incentivada pelo guia que liderou a caminhada até a Laguna de los Tres e ainda cheia de endorfina pelos 23Km de caminhada do dia anterior, decidi seguir sozinha para Laguna Torre no meu terceiro dia em El Chaltén.

Existem duas saídas partindo da cidade rumo à lagoa aos pés das torres que são mais conhecidas do lado chileno. Por indicação do guia do dia anterior, fui pelo caminho menos turístico, que partia do final da rua Las Loicas, entre a Eduardo Brenner e a Albert Konrad.

Essa trilha é cheia de subidas e descidas e, apesar de quase tão longa quanto a que leva à Lagoa de los Tres (tem 18Km com ida e volta), ela não exige muito esforço físico. Exceto por um pequeno trecho antes do Mirador del Torre, quando a trilha se transforma em uma pedra pela qual você tem que subir, boa parte do caminho restante é de subidas leves, caminhadas sob árvores e descidas pouco íngremes.

Do Mirador Torre, pude ver que a Laguna Torre estava encoberta, mas resolvi continuar na esperança de que o tempo limpasse. O destaque dessa trilha, para mim, foi o trecho que passa no meio de Ñires, árvores que mais parecem bonsais. A única fonte de água que encontrei já era bem perto da laguna, então minha dica é levar uma garrafa de 2 litros ou economizar na água, porque só pude completar minha garrafa depois de mais de 2h de caminhada.

Ao chegar à Laguna de los Tres, que estava completamente encoberta, fui recebida por uma raposa, que acompanhou bem de perto o meu almoço. Ela ficou confortável mesmo foi perto de uma grande família. Após se sentir segura perto deles, acabou dormindo.

Não fiquei muito tempo na lagoa, porque começou a chover. Não queria fazer a trilha debaixo d’água, então apertei o passo. Rajadas de vento varriam o vale, mas consegui terminar todo o caminho sob sol.

nosso-mapa-mundi_el-chalten-laguna-torre-3.jpg
Vale do Rio Fitz Roy

No trecho final, por ter entrado pela entrada da rua Las Loicas percorri uma trilha um pouco diferente, o que foi bom para não ficar repetitivo. A Laguna Torre sob nuvens foi um pouco anti-climática após ver de perto a beleza do Fitz Roy, mas a trilha por si só compensou a caminhada.

Me despedi assim de El Chaltén. Tinha poucas expectativas para a região, mas ela me surpreendeu pela magnitude da natureza ainda pouco afetada pelo homem.

nosso-mapa-mundi_el-chalten-laguna-torre-4.jpg
El Chaltén

Mapa de links:

Patagônia Argentina: selvagem e inesquecível

El Calafate e Perito Moreno

El Chaltén – Dicas Gerais

El Chaltén – Dia 1 – Mirador de los Cóndores e Chorrillo del Salto

El Chaltén – Dia 2 – Laguna de los Tres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s